Ir para o conteúdo principal

SEMUSA responde oficio do deputado Anderson e esclarece demora no atendimento de UPAS e Policlínicas da capital

quarta-feira, 18/03/2020 às 08h40min
SEMUSA responde oficio do deputado Anderson e esclarece demora no atendimento de UPAS e Policlínicas da capital

O deputado estadual Anderson Pereira (Pros), solicitou através do oficio 1310/2020/GDAP, informações e providências quanto ao restabelecimento do atendimento nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAS), e nas policlínicas do município de Porto Velho.

Uma série de denúncias chegou ao gabinete do parlamentar, dando conta da dificuldade que os cidadãos enfrentam na utilização dos serviços, destacando que são submetidos a horas de espera e ainda são encaminhados para outras unidades hospitalares sem receberem os devidos atendimentos.

Em resposta, a Secretaria Municipal de Saúde (SEMUSA), através do oficio 896/2020/DMAC/SEMUSA, explicou que as unidades de saúde, que compõem a rede de urgência e emergência sendo as Upas Sul, Leste, Pronto Atendimento Ana Adelaide, localizado na zona Norte, atendem com pediatria, Pronto Atendimento José Adelino, localizado na zona Leste e Jacy Paraná, e tem como referencia os Hospitais João Paulo II, Hospital Infantil Cosme e Damião, e Policlínica Osvaldo Cruz. Salientando, que considerando a grande necessidade de urgência e emergência, a secretaria manteve um quadro pessoal nas unidades atendendo critério estipulado pelo Ministério da Saúde. A Upa Sul, Upa Leste e Pronto Atendimento Ana Adelaide trabalham com quatro ou cinco médicos por plantão de 24 horas diárias, a Unidade José Adelino e a Jacy Paraná atendem com dois médicos por plantão.

O quadro de médicos das Urgências e Emergências são:

34 médicos na Upa da Zona Leste
35 médicos na Upa da Zona Sul
23 médicos Clínico Geral no Ana Adelaide
12 médicos Pediatras no Ana Adelaide
9 médicos Clínico Geral no Pronto Atendimento José Adelino
12 médicos no Pronto Atendimento de Jacy Paraná

136 médicos fazem parte da Rede Municipal de Urgência e Emergência, 46 servidores médicos foram contratados recentemente por meio de processo seletivo emergencial visando manter as escalas dentro de uma capacidade de estrutura compatível para as unidades de Porto Velho.

Ainda de acordo com o ofício, a maior dificuldade é quanto a transferência de pacientes graves para o Hospital João Paulo II, o que a acarreta superlotação das unidades, pois pacientes de sala vermelha permanecem além de 24 horas aguardando vaga para o JP II, contrariando a finalidade do Pronto Atendimento que não e unidade de internação, possui apenas leitos para observação que são de até 24 horas.

Contudo as Upas oferecem serviços multiprofissionais e todos os pacientes são avaliados conforme o grau de complexidade apresentado, incluindo aqueles que só necessitam de consultas classificados em verdes e azuis, que não são casos de Urgência e emergência, podendo serem atendidos nas Unidades Básicas (UBS) do município.